segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

CAMARADAS da ONZIMA no FACEBOOK

                           José Carlos Ventura Coelho-Alferes Miliciano- Atirador-04579069
                                https://www.facebook.com/jose.c.coelho.161?fref=pb_other
                           





                            Lino António da Silva Martins Rei-Alferes Miliciano.Atirador-16524069
                                       https://www.facebook.com/linoasmrei?fref=pb_other




José Manuel Couto-Alferes Miliciano-Atirador




Adriano Jorge Faria Leitão-Alferes Miliciano-Atirador




José da Graça Marques Calado-Furriel Miliciano Transmissões-00203470




Abilio Barros de Sousa Castelo-Furriel Miliciano-Atirador-00797070




Manuel Lourenço Areias Amaral-Furriel Miliciano-Atirador-04698070





Orlando Ortiga de Castro-Furriel Miliciano Enfermeiro-07867270





António Albano Martins Costa Leite-Furriel Miliciano Atirador-16721170






Albano Cardoso Tavares Laranjeira-Furriel Miliciano Mec. A. R.-18581270







Carlos Manuel Vasco Matoso-Furriel Miliciano Atirador






Manuel João Pimenta Gouveia-1º Cabo-C.A.R.-05182670





Júlio Mário Dias Pereira-1º Cabo-Aux. Enfº-11550170





Adelino Pedro Rodrigues de Freitas-Soldado Atirador-03938671




José Armindo Lamarão Augusto-Soldado-C.A.R.-15747070





José Maria Vaz Gonçalves-Soldado-C.A.R.-15856570







Joaquim da Silva Romão-Soldado-C.A.R.-15758870





José Francisco Faria Alves-Soldado Corneteiro-18411170




João Gabriel de Freitas Nóbrega-Soldado Atirador-19912071





domingo, 13 de dezembro de 2015

MENSAGENS DA QUADRA NATALICÍA

Tão embrenhadas no tempo, mas são memórias da nossa passagem por terras africanas.
Grande parte delas manifestava o nosso nervosismo perante a câmara de filmar que nos era colocada à nossa frente, e nós sobre uma tensão nervosa tremenda acabávamos por enrolar a língua e por vezes ficávamos a patinar com as palavras, originando por vezes algumas risadas dos nossos camaradas.
O tempo era escasso para falar e éramos avisados para ser rápidos, o que obviamente nos atrapalhava a dicção, no entanto o importante era transportar a nossa imagem até Portugal, para que os nossos familiares tivessem a alegria de saber que estávamos vivos.