segunda-feira, 7 de novembro de 2016

LENDAS DE ÁFRICA




A lagoa de Mufututu tem uma história de arrepiar. Os habitantes da aldeia de Quimacuna, a quatro quilómetros do Songo, fazem lá uma cerimónia tradicional. O ritual serve para mostrar as maravilhas da região.
Dizem os antigos que os bagres fumados ou mesmo cozinhados mergulham nas profundezas da lagoa e escondem-se numa gruta impenetrável. Há relatos impressionantes de acontecimentos próprios do outro mundo. Uma coisa é certa: as pessoas estão proibidas de mergulhar e pescar na lagoa Mufututu
São mitos ou realidades que obrigaram a reportagem do caderno Fim-de-Semana a falar com o mais velho da aldeia. Mateus Domingos, 74 anos, viveu sempre na aldeia Quimacuna. Revelou à nossa reportagem factos inacreditáveis mas que ele garante serem verdadeiros. A lagoa Mufututu tem uma água cristalina e pura. Quando se junta às águas do rio Dunda, fica esbranquiçada e forma um separador bem visível: “todos sabemos que ninguém pode entrar na lagoa mas não há aqui feitiço nenhum”, diz Mateus Domingos.
A lagoa foi descoberta, por acaso, em 1922 ou 1923, pelo velho Nkelani. As águas límpidas mostravam grandes quantidades de bagres. Resolveu colocar na água uma muzua para pescar. Deixou a armadilha e foi-se embora para casa. No dia seguinte regressou ao local e ficou espantado com o que viu.
A muzua estava na margem, sem qualquer peixe. O velho Nkelani pensou que alguém tinha tirado a armadilha do local. Voltou a colocar a muzua na lagoa e regressou a casa. Quando o velho Nkelani regressou à lagoa de Mufututu, no dia seguinte, encontrou a muzua abarrotada de peixe. Mas ficou aterrorizado, porque eram bagres fumados e cozidos. Só havia uma pequena quantidade de peixe fresco. “Isto é verdade, ninguém pode duvidar porque aconteceu mesmo”, garante Mateus Domingos.
Sonhos prodigiosos..
Nkelani voltou para casa apreensivo. Pelo caminho encontrou três porcos, matou um e os outros dois fugiram. Mas o velho não levou o porco morto, continuou a caminhar, sem perceber que os dois porcos fugitivos o perseguiam até à entrada da aldeia de Quimacuna. Dias depois, Nkelani apanhou uma doença e morreu. Antes de morrer, Nkelani teve uma visão. Os bagres pediram-lhe para dizer ao povo de Quimacuna para que ninguém tomasse banho ou pescasse na lagoa do Mufututu.
“Sempre que vai haver acontecer alguma coisa boa, o soba da aldeia sonha com os bagres, é assim que eles nos transmitem uma mensagem para nós tomarmos precaução”, contou Mateus Domingos.
Peixes de férias……
Os peixes da lagoa do Mufututu entram de férias nos meses de Março e Abril e só voltam em Junho. “É por isso que estamos a ver poucos peixes e todos pequenos. Aqui há centenas de bagres colossos que, nesta altura, foram visitar a mãe, na lagoa Dimina, na comuna do Kinvuenga, onde passam as suas férias”, revelou Mateus Domingos.
Antigamente a mãe dos bagres vivia no Mufututu, mas por causa das obras nas estradas foi alterado o curso de alguns riachos e lagoas. Por isso a rainha dos bagres fantasmas foi parar à Dimina.
“Nós apercebemos que ela tinha mudado de lagoa, porque enviou um sonho ao velho Miguel Nsanga, que também já foi soba desta aldeia. A mãe dos bagres pediu para cuidarmos bem dos seus filhos”, contou Mateus Domingos.

Antigamente existia uma grande cidade dentro da lagoa. Quem duvidasse da sua existência, era obrigado a mergulhar para ver com os seus olhos, mas isso só era possível fazer depois da realização de um ritual tradicional. “Depois da mãe dos bagres mudar de residência, a cidade desapareceu e agora só se vê uma luz verde lá no fundo, esta é mesmo uma lagoa maravilhosa”, concluiu Mateus Domingos.
Enviar um comentário