sexta-feira, 31 de outubro de 2008

CONTAGEM DECRESCENTE

A imagem dá-nos a ideia de que faltariam apenas 49 dias para sermos"rendidos" pela companhia de "maçaricos" que estaria óbviamente para chegar, no entanto a realidade seria bem diferente. O prazer que tinhamos de "eliminar" mais um dia daquele painel era mais um passo para a nossa "liberdade".
Infelizmente a contagem foi ampliada em mais ou menos dois meses, o que tornou angustiante a espera por tão almejada data. A incerteza permaneçeu sempre em aberto, esperando que de um qualquer golpe de magia fosse "despejada" no Songo a companhia que iria ocupar o "nosso" lugar.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

"QUEIMADAS"


Noites sem fim tentando encontrar pensamentos dispersos, que vagueavam no nosso imaginário. Com o olhar fixo na distãncia, viajávamos em sonhos repletos de fantasias procurando atingir o zénite, a escuridão abraçava-nos e adormecia-nos no seu torpor. No entanto de repente a metamorfose aconteçe, da escuridão da noite nascem labaredas gigantes de um vermelho intenso e quente e ás quais os nossos olhos custam a adaptar-se, ficávamos estarrecidos com a grandiosidade do espectáculo, e o horizonte ia gradualmente desapareçendo, consumido pelas labaredas gigantes que subiam em direcção ao céu, como que transportando os nossos pensamentos.A noite acabava por dar lugar ao dia, mas o fogo, esse continuava imparável a devorar avidamente tudo o que o rodeava.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

TETA LANDO


Conhecemo-nos nos bancos da Escola Industrial Machado de Castro nos anos sesssenta. Natural de Angola,da antiga provincia de Huíge, era uma pessoa que se diferenciava já naquela altura, mas no essencial era amigo dos seus amigos.
Perdi-lhe as pisadas na voragem do tempo, tendo só há alguns anos atrás, sido informado da sua luta pela cultura Angolana, que se desenvolvia mais objectivamente na area da música(músico e compositor), tendo por muitos anos como "base" a cidade de Paris, por onde permaneceu longas temporadas.
Infelizmente esta semana fui informado do seu falecimento, perdeu-se por isso um dos ícones da cultura angolana. Esteja onde estiver paz á sua alma e um obrigado pelo que fez em prol da cultura entre os povos.
 -Alberto Teta Lando, natural de M'Banza Congo, onde nasceu em 1948 era oriundo de familia numerosa, com 32 filhos.
Escreveu a sua primeira música em 1964 e dois anos depois com a publicação do primeiro LP passou a integrar o grupo restrito dos melhores músicos angolanos.
Exilado em Paris entre 1978 e 1989, por ser confesso seguidor de Holden Roberto, regressa para integrar o Festival Nacional da Cultura (Fenacult), em Luanda.
Ao longo da sua vasta carreira de 44 anos obteve êxitos inesquecíveis como "Negra de carapinha dura", "Eu vou voltar" ou "Um assobio meu".
O seu último trabalho "Memórias" é uma colectânea das músicas escritas ao longo da sua carreira.
Ocupou desde 2006 o cargo de presidente da UNAC (União Nacional dos Artistas e Compositores).
Era casado e pai de três filhos.